O presidente da ABEMI – Associação Brasileira de Engenharia Industrial –, Antônio Muller, acha que o leilão abre o espaço para o mercado de serviços e fornecimento para empresas brasileiras, mas que as regras de conteúdo local mínimo precisam ser respeitadas e fiscalizadas. Pelas regras, a fase de exploração deverá ter pelo menos 37% de conteúdo nacional. Já na segunda fase, a fase de desenvolvimento de produção, este número sobre para 55% na primeira etapa e 59% na segunda etapa.

Muller acredita que os chineses são favoritos para vencer o leilão:

“Realmente a expectativa que estamos vivendo é esta. Os chineses passaram a ser os maiores consumidores de petróleo e precisam do petróleo. O interesse dos asiáticos não é o mercado, mas ter reservas. E uma reserva como Libra é estratégica. É muito importante para eles. Por isso, acredito, sejam os favoritos. Seria muito bom que houve uma competição, mas acho que será difícil. ”

 

Fonte: Petronoticias