Apesar do momento delicado por que passa a Iesa, a empresa conseguiu manter o contrato de construção de módulos para as plataformas P-66 a P-73, os FPSOs replicantes, a partir de uma parceria com a Andrade Gutierrez, no Pólo Naval de Jacuí (RS).

A Iesa Óleo e Gás confirmou que as negociações com a Andrade foram concluídas e que as empresas vão dar continuidade, em conjunto, à construção de módulos para as unidades previstas no contrato com a Petrobrás, sendo que as obras serão mantidas no canteiro da Iesa em Charqueadas (RS).

“As empresas aguardam a assinatura do contrato para dar informações detalhadas sobre a transação comercial”, afirmou a Iesa em nota.

Enfrentando dificuldades econômicas, a Iesa vinha tendo problemas para operar sua planta, considerada o pilar do Polo Naval do Jacuí. Para reivindicar melhores condições de trabalho, os empregados do complexo paralisaram neste ano as atividades por duas vezes. As primeiras encomendas deveriam ser entregues no dia 19 de julho de 2014 e as últimas finalizadas até 2017, mas o cronograma está atrasado.

Fonte: Petronoticias