A Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP) confirmou que os níveis das reservas 1P e 2P do Campo de Manati permaneceram coerentes com a avaliação feita no ano passado, mas que o desempenho do campo excedeu as expectativas em função da manutenção da pressão do reservatório e da forte demanda das termoelétricas no Brasil.

A empresa também divulgou seus resultados financeiros do primeiro trimestre. A produção média diária de gás atingiu seis milhões de metros cúbicos, níveis similares aos de 2013. Com o processo de contratação da estação de compressão concluído, a construção deverá começar até o final do segundo trimestre deste ano, enquanto a operação tem início previsto para o segundo semestre de 2015. O investimento nesta planta será US$ 30 milhões nos próximos 18 meses. Mesmo com o acréscimo nos custos de produção, a margem EBITDA do Campo de Manati ficará em cerca de 60% da receita líquida.

O CEO da QGEP, Lincoln Guardado, afirmou que o sucesso observado nas atividades do Campo de Atlanta é um passo importante para diversificar as fontes de receita da companhia e consolidar sua presença como operadora em águas profundas. O diretor de produção, Danilo Oliveira, também disse estar satisfeito com os resultados e avisou que manterá o mercado atualizado em relação ao desenvolvimento do ativo.

O processo de licitação para o FPSO, que está em andamento e espera-se finalizar o contrato no início do terceiro trimestre. A companhia ainda avalia a alternativa mais eficiente da capacidade do FPSO. Em ambos os casos, o primeiro óleo é esperado para o final de 2015 ou início de 2016, o que proporcionará uma fonte adicional de receita para financiar nossas atividades.

Fonte: Petronotícias