Rosatom confirmou o interesse em trabalhar em conjunto com a Camargo Corrêa para a construção de novos blocos para energia nuclear no Brasil. O acordo assinado entre as partes prevê a construção de instalações para a usina nuclear de Angra 3. Segundo Sergey Kirienko (foto), diretor-geral da companhia russa, a América Latina é um mercado novo e interessante, o que faz com que a empresa precise de um parceiro estratégico de confiança.

Em 1994, Brasil e Rússia fizeram um acordo pelo uso pacífico da energia atômica. Quinze anos depois, foi firmado um memorando de entendimentos entre as duas partes, para, em 2011, a Rusatom Overseas, subsidiária da Rosatom, passar a integrar a Associação Brasileira para Desenvolvimento das Atividades Nucleares (Abdan).

No último trimestre de 2013, com a indicação do Brasil de permitir a participação da iniciativa privada nos certames, a Rosatom já anunciava planos para possíveis leilões de térmicas nucleares, previstos para acontecer até 2030.

Fonte: Petronoticias